January 22, 2020

Aceite O Que Você Criou

Escrito por: Maria Josee

Sempre agimos como se não houvesse causa e efeito. Pensamos que a maneira como nos comportamos não terá uma reação...

article preview

Sempre agimos como se não houvesse causa e efeito. Pensamos que a maneira como nos comportamos não terá uma reação. Não somos responsáveis ​​por nossas ações e como isso podemos prejudicar outras pessoas. Pensando constantemente em nós mesmos, acreditamos que a vida é injusta, que somos pobres e sempre nos perguntamos: "O que fiz para merecer isso?"

O mesmo aconteceu comigo. Quando eu era pequena, sempre pensei que a vida tinha sido injusta comigo. Que minha família não me amava, que minha mãe era muito severa, que minhas irmãs não me entendiam e que eu era a pobre menina, a incompreendida, a boa, aquela que nunca fez nada de errado, sempre com boas intenções.

Menina zangada

Mantinha muita raiva da vida, dos meus pais e da minha família, porque "tratamentos injustos" eram sentidos todos os dias, pois havia apenas um lado da história. Aquela história que criada na minha cabeça por me concentrar no que eu não tinha, em vez de apreciar todas as bênçãos que a vida me deu.

O corpo fala, como aprendi graças ao ensino. Toda aquela raiva, aquela dor e esse ódio que eu sentia desde pequena se tornaram grandes dores de estômago, que acabaram sendo um cisto que precisava ser operado. Sem a viagem à Birmânia com La Jardinera, eu nunca teria entendido qual é a causa e o efeito e como criamos nosso próprio futuro.

Chegou a hora da operação. Na minha opinião, seria algo fácil, eles tirariam a parte do meu estômago que não funcionava bem e, em um piscar de olhos, eu estaria em casa, comendo, bebendo e rindo como se nada tivesse acontecido. Mas claramente não era assim.

Médicos na mesa de operação

A operação correu bem, só depois de alguns dias comecei a me sentir enjoada, vomitando e não entendi o que estava acontecendo. Depois de duas semanas, tive que operar novamente, pois meu intestino tremia e não deixava a comida passar.

As coisas não acontecem por acaso. A primeira operação foi planejada, como eu sempre pensei que tinha minha vida. Mas não tive a complicação, pensando que, por ser eu, tudo ficaria bem. Mas essa não era minha causa e efeito.

Eu sempre quis não fazer nada, sou muito preguiçosa e passei 4 semanas em uma cama de hospital, incapaz de sair, incapaz de andar bem, incapaz de desfrutar, trabalhar. Eu tive que aprender a apreciar a vida, apreciar tudo o que tenho, valorizar minha saúde, aceitar minha causa e efeito.

Quando eu era pequena, joguei fora a comida porque não gostava, ou porque era muito, em vez de mantê-la. E eu tive que passar duas semanas sem comer, para aprender o que é ficar sem comer, o que é apreciar a comida.

Eu aceitei na primeira semana. Eu pensei que tudo iria acontecer, que sairia rápido. Então, quanto mais dias eu ficava no hospital, eu pensava: “Bem, não é mais? Eu aceitei e já está bem com os testes!”.

Mas não somos nós que escolhemos qual é a nossa causa e efeito. São nossas ações do passado e as lições que precisamos aprender, o que a vida nos coloca. E continuaram colocando-os para mim, paciência, remédios, não comer. Eu tive problemas para aceitar.

Majo no processo de recuperação

Sempre me senti longe da minha família, mas fui eu quem os afugentou, fui eu quem criou uma barreira de ódio ao meu redor, e foram eles que estavam lá, todos os dias, me visitando e me encorajando enquanto passava por minha causa e efeito.

A vida nos devolve nossas ações. Pagamos as contas que deixamos em aberto durante a vida. Se aceitamos e os vemos como são, não temos vergonha de passar o tempo necessário no hospital.

Junte-se à nossa rede de escritores e comparta seu conhecimento em nossa plataformaContribuir
Escreva seus comentários