June 10, 2020

Abolindo o medo e a miopia

Escrito por: Daniela Giron

Nunca esquecerei a primeira vez que eles fizeram o “Equilíbrio do Sistema Nervoso”. Tive um ataque de riso, me senti tão feliz e não consegui parar de rir...

article preview

Eu conheci ao Manos Sin Fronteras aos 12 ou 13 anos, meus pais costumavam aplicar os tratamentos em mim. Nunca esquecerei a primeira vez que eles fizeram o “Equilíbrio do Sistema Nervoso”. Tive um ataque de riso, me senti tão feliz e não consegui parar de rir.

Eu mal podia esperar para fazer os cursos, estava tão empolgada que realmente não entendi o que era, mas isso me deu muita esperança e queria tratar meus olhos. Desde criança, sempre tive um forte astigmatismo, a certa altura meus professores pensaram que eu era uma criança com necessidades especiais, porque me sentei na frente e prestei atenção, mas minhas anotações não refletiam isso.

Depois de receber o 1º e o 2º níveis, comecei a fazer o tratamento dos 5 sentidos todos os dias. Ano após um ano, toda vez que eu fui ao oftalmologista, minha visão estava um pouco melhor e o médico não acreditou, passei de 5 para 1,25.

oftalmologista que ajusta o equipamento de medição

Comecei a universidade e parei de fazer os tratamentos para os meus olhos e comecei a fazê-los para o meu cérebro e memória, para lidar com minhas emoções, às vezes esmagadoras, o sentimento e o medo de não ser capaz ou não ser boa o suficiente. E pouco a pouco o medo do futuro aumentou e com esse medo uma miopia começou a se desenvolver, especialmente no meu olho direito.

Existe um curso realizado pelo presidente da Manos Sin Fronteras, chamado “O Corpo Fala” que nos ensina a ouvir os sinais do nosso corpo. Quando nos apegamos a emoções fortes, as absorvemos e o corpo acaba encontrando uma maneira de liberá-las. Sabendo disso, podemos começar a ouvir nosso corpo e trabalhar com essas emoções.

Os olhos são a janela da nossa alma e a condição dos meus olhos atrai os medos que tenho do futuro por causa de situações que vivi no passado. Nos últimos anos, tenho conseguido trabalhar meu lado emocional, ver que muitos dos comportamentos de minha mãe também os têm e ser capaz de trabalhá-los, e meu olho esquerdo vê muito melhor do que o direito. O olho direito, como alguns de nós aprendemos, é o lado racional e, depois de observar meu comportamento, percebo que não sou objetiva na minha maneira de ver a vida.

imagem distorcida de uma garota cobrindo os olhos

Li um pouco do que a miopia é no nível do corpo, e não é apenas a falta de objetividade e o medo do futuro, mas também a preocupação demais comigo mesma e não com os outros.

Para todas as outras pessoas míopes que lêem isso, aqui estão algumas das maneiras pelas quais podemos ajudar a nós mesmos.

Aceite que o passado não é uma indicação para o futuro, que tivemos um momento ruim no passado, não significa que a mesma coisa acontecerá novamente, deixe aqueles medos que nos impedem!

Abra-se às ideias dos outros. Há uma frase de Shunryu Suzuki que eu amo: "Na mente de um iniciante, existem muitas possibilidades, na mente de um especialista, são poucas."

E quando nos sentimos um pouco perdidos e com um pouco de pena de nós mesmos: encontre uma maneira de ajudar outra pessoa, de recuperar um pouco dessa generosidade de espírito.

Veja a vida de uma maneira mais positiva, pare de esperar o pior. É semelhante ao primeiro, mas vale a pena dizer isso várias vezes.

Redescubra a ilusão para o futuro e recupere a alegria de viver! Todos os dias escolhemos o que fazemos em nossos dias, a atitude com a qual recebemos o novo dia e todos os dias é uma oportunidade para começar de novo.

Não há nada que tenhamos ou deveríamos fazer, essas palavras chegam do nosso ego.

E o último e maior é o nosso objetivo, seja isto ou aquilo: medite todos os dias! Conectar-se a nós mesmos, forneça oxigênio ao cérebro, a comida de que precisa e dar espaço ao coração para se expressar.

Um infinito obrigado a La Jardinera que nos ensina a viver mais leves, a amar o trabalho, que nos ensina a compartilhar e a ajudar uns aos outros, e que nos deu os maiores presentes de nossas vidas que é La Enseñanza e a Meditação.

Dani em Rose des Pyrenees

Junte-se à nossa rede de escritores e comparta seu conhecimento em nossa plataformaContribuir
Escreva seus comentários