August 05, 2020

Uma aventura de "chaleco"

Escrito por: Matilde

credito que cada momento de cada dia nos ensina algo, mas há momentos em nossa vida que nos marcam de uma maneira incrível...

article preview

Olá, meu nome é Matilde e tenho 16 anos. Há algum tempo havia um tópico para minha lição de casa em italiano, "escrever sobre uma experiência que lhe ensinou algo" e decidi compartilhá-la com todos, não apenas com meus professores. A tarefa era recontar uma experiência da qual você aprendeu uma lição importante.

Acredito que cada momento de cada dia nos ensina algo, mas há momentos em nossa vida que nos marcam de uma maneira incrível, para melhor ou para pior. A experiência que escolhi foi a do verão passado, verão de 2019. Fiz uma peregrinação a Jerusalém com Mãos Sem Fronteiras. Havia cem pessoas de diferentes partes do mundo e considero muitas delas minhas amigas.

Antes de começar, devo dizer que Mãos Sem Fronteiras é uma organização internacional que promove o bem-estar e não tem laços religiosos.

Então, por que você foi a Jerusalém? "Férias" seria um termo errado, mas eu gostaria de destacar que é um local sagrado para 3 religiões. Uma pessoa precisa ser politeísta para visitar Grécia e ver templos gregos? Não, da mesma forma que MSF não é uma associação religiosa.

Dito isto, por que essa viagem foi tão especial? Para começar, os lugares são lindos, mas eu já tinha estado lá alguns anos antes. Essa experiência foi ainda mais única, porque eu usava o "Chaleco".

Matilde com o "Chaleco".

"Chaleco" em espanhol significa colete (ou algo semelhante), especificamente usamos roupas verdes, coletes refletivos com o logotipo da associação (e nome) nas costas. Durante a viagem, não apenas a roupa em si é referida como “chaleco”, mas também as pessoas que a vestem.

O que significa usar o cheleco? Ajudar. Aqueles que desempenham o papel de chaleco estão lá para dar ajuda e apoio. Enquanto caminha, fica-se em uma curva, por exemplo, para impedir que as pessoas tomem a estrada errada, mantém o grupo unido, conta as pessoas no ônibus, para não perder ninguém. Se alguém precisar de ajuda, os chalecos estão lá.

Eu experimentei a jornada de uma maneira diferente, em um sentido positivo. É difícil explicar o que você sente, há mais responsabilidade em ajudar os outros e você percebe o trabalho que ocorre durante a viagem, entende o que os outros fizeram por você em outras viagens.

Eu tenho que agradecer a La Jardinera, fundadora da MSF, por esta incrível oportunidade, ela é quem escolhe quem veste o chaleco.

Não consigo me explicar melhor do que isso, quando penso nessa viagem, me faz sorrir. Espero que você experimente um dia também.

Vejo você na próxima viagem!"

Junte-se à nossa rede de escritores e comparta seu conhecimento em nossa plataformaContribuir
Escreva seus comentários