May 26, 2021

Liberte a mente de preconceitos

Escrito por: Miriam Mendolesi

Devemos ter a mente livre, sem preconceitos e seguir nossa intuição, preconceitos podem destruir uma pessoa. Não há como saber o que encontramos na Alma, lá está a sua grandeza; podemos adivinhar, mas não saberemos.

article preview

Devemos ter a mente livre, sem preconceitos e seguir nossa intuição, preconceitos podem destruir uma pessoa. Não há como saber o que encontramos na Alma, lá está a sua grandeza; podemos adivinhar, mas não saberemos.

A sociedade nos apresenta e impõe modelos, quer que todos sejamos idênticos, cultiva nosso medo do desconhecido, nos convida a rejeitar o que está "fora de cogitação".

Mas são estas diferenças que enriquecem a vida e a criatividade, e o pensamento não homologado que nos faz descobrir e avançar na nossa vida, são também elas que impulsionam a nossa sociedade e a fazem avançar.

Estamos sempre e constantemente aprendendo. Quando encontramos alguém, não podemos saber o que essa pessoa experimentou, seus problemas e seus esforços.

Existem minerais metamórficos que sob temperaturas e pressões muito altas mudam sua estrutura cristalina, transformando-se em um mineral completamente diferente. Se uma pedra faz isso, por que não podemos nós, que estamos aqui, aprendendo dia após dia?

Julgar sem apertar as mãos, ofender uma pessoa "gratuitamente" só serve para magoá-la. Nenhum de nós pode julgar os outros, quem está livre do pecado que atire a primeira pedra.

manos

A crítica deve ser construtiva se quisermos ajudar.

Quem é rígido costuma viver sua vida passando por provações, sem intenção de ajudar, é uma pessoa infeliz, que ao invés de trabalhar para fazer uma mudança em sua vida e ajudar os outros, perde seu tempo.

Vivi na minha pele o fato de me sentir diferente, na minha família me viam como uma pessoa muito estranha e nem sempre eu podia participar das atividades familiares públicas.

Por quê? Na minha infância e adolescência sempre me disseram que eu era a "estranha", meu pai me chamava de " oriental" porque ninguém entendia meu interesse por pedras, meditação e energia. Minha família disse que não acreditava em nada, que com a morte tudo acaba e não há mais nada; e de fato ele não entendia minha maneira de ver.

E eu ser "filha da minha mãe" só podia ser esquisita e sempre me enganei, como ela.

Na minha família de origem eles são muito rígidos e também “classistas” - você não é muito intelectual, você não tem cultura, onde nasceu, qual é a sua família de origem-.

Eu sofri muito com tudo isso, mas ao mesmo tempo fiquei muito rígida e sempre pensando que tinha que provar algo para os outros.

Até que comecei a entender que podemos ter opiniões diferentes, que não importa o que os outros pensam, é importante seguir o que acho justo e continuar meu caminho e que cada um de nós tem um caminho diferente.

Acho que às vezes uma pessoa com ciúmes e inveja, é que ela esqueceu sua Alma e dá poder apenas para a matéria, diminui continuamente os outros apenas para tentar se convencer de que eles têm valor.

Se entendermos que o corpo é apenas o veículo e que estamos todos aqui aprendendo e seguindo nosso caminho, vivemos mais felizes, podemos ajudar os outros e dar um passo adiante no cumprimento de nossa Missão.

mision

Junte-se à nossa rede de escritores e comparta seu conhecimento em nossa plataformaContribuir
Escreva seus comentários